Os cânions do Rio São Francisco

Estou pensando em fazer esse passeio que todos dizem ser belissimo. Com isso em mente escrevi para meu amigo Carlos Viegas, que já esteve lá, e pedi indicações. O texto dele é tão delicioso que pedi permissão para publicar aqui, na íntegra:

Entrando  em www.voenoar.com.br, verás  que há um voo diário de Natal a Paulo Afonso, com escalas em J.Pessoa, Recife  e Maceió. Daí deve levar umas 4 horas, voo de solavancos, pois avião não  ultrapassa a camada de nuvens que povoa o nosso litoral. O avião é pequeno,  com dois ruidosos motores, cujas hélices poderás ver de tua minúscula janela,  de onde  vislumbrarás também praias soberbas, até Maceió. De lá, passas a  sacolejar sobre montanhas áridas até que divises, abaixo, o velho Chico a  serpentear entre elas, verde como os olhos de Fábio Assunção.

 Aterrissando em  Paulo Afonso, podes te dirigir ao Hotel Porthal da Ilha (www.hotelporthaldailha.com.br), onde um pintoso Sr. Pacífico,  proprietário, te receberá bem, com farto desjejum e quarto com ar refrigerado split.  Na recepção do  hotel, pagas 50 reais e no dia seguinte diriges-te ao Centro de Turismo, de  onde sai um microônibus em direção ao canion, numa viagem de  meia-hora.  Ali te espera um confortável Catamarã, que te levará entre paredões vermelhos  rio a fora. “Num dado momento”, para-se no local destinado ao banho  reconfortante/refrescante. A partir daí são só folguedos: tu te despojas das vestimentas e,  de sumário traje de banho e agarrado a um “macarrão” –  cujo uso é imposto pela tibulação da embarcação -, mergulhas em água  cristalina, sufocando gritinhos de excitação.

Daí começa o  retorno, que termina no mesmo ponto onde pegaste o ônibus e de onde podes caminhar a pé para o hotel, se não quiseres pegar um moto-taxista cuja cintura rígida poderás abarcar, fingindo medo e insegurança.

Deixei de fora o final da odisséia, por não saber de tuas intenções; se queres conhecer melhor a cidade ou se é melhor voltar a Natal. No meu caso, fiquei ainda mais um dia na cidade. “Até mesmo porque” só há um voo diário Natal/Paulo Afonso, de segunda a sexta-feira. Fim de semana, nem pensar em aeronaves. Amargam-se cerca de 500km entre as duas metrópoles em ônibus de carreira(de Recife dista mais de 200). No dia que me restou (um domingo), expus minha beleza e juventude em dois lugares: a prainha, onde pude me banhar num braço do Velho Chico, ao mesmo tempo em que degustei fartos e deliciosos acepipes servidos por viçosos jovens que ali posam de garçons. O outro lugar é o Parque Aquático, de que não gostei. Muitas crianças nadam em algazarra nas piscinas, observados pelos pais. Só.

Em resumo: vivi três dias agradáveis, da sexta à segunda-feira. A chegada a Paulo Afonso, após voo dos mais turbulentos, se dá às 11:30 da manhã e a volta é às 12:30, devendo chegar à tardinha a “Nothingland”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s