De carro pela Toscana – Episódio 2

09.05.00 – Saímos de Chiaveri depois de um café da manhã fantástico e, pela autoestrada, seguimos para Lucca. Estávamos lá antes do meio-dia. Lucca estava molhada, com poças d’agua, a tormenta tinha acabado de passar. É uma cidade murada e passear pelo alto do muro é a parte mais agradável. As ruelas estreitas, com prédios medievais que parecem ter sido recobertos por uma camada de reboco. A Igreja de S. Michel parece ser o mais interessante, com uma arquitetura diferente do resto.

De lá seguimos para Pisa. A maior surpresa foi constatar que a torre é mais baixa do que eu pensava e não está isolada. Tem ao seu lado o Duomo e o Batistério. Há um intenso e agitado comércio ao redor, com senegaleses (?) vendendo de um tudo. Às 4 da tarde tentamos almoçar e não conseguimos. Tudo fechado. 

Eu, morta de cansaço

Sem almoço, seguimos para nosso objetivo maior: San Gimignano. Haviamos lido sobre a pequena cidade com 14 torres e nos pareceu ideal ficarmos hospedadas por lá. Os hoteis que encontramos com vaga eram todos muito caros e como já escurecia resolvemos ficar em uma “family rooms”. Encontramos uma cujos quartos eram extremamente limpos, lençois de linho bordado, travesseiros macios, uma delícia.

10.05.00 – Com as malas dentro do carro fomos conhecer San Gimi. Muuuuito lindoooo. Lembra Lucca só que menor, mais preservado e organizado e, por estar localizado em uma colina, com a vista mais espetacular da Toscana. Das 14 torres que dizem existir só conseguimos contar 7, talvez porque não sabemos o que eles chama de torre. Cidade encantadora. Artistas plásticos, artesão. Andando pelas ruelas, de repente ouvimos um lindo solo de sax que nos deixou paralisadas. Mágico.

San Gimignano e seu poço central

Depois de San Gimi, a idéia era nos alojarmos em Siena para ficarmos paradas em um lugar  por um tempo. As tentativas de reservar hotel pequeno ainda em San Gimi não deram certo. Pegamos a Rota do Chianti (SS222) em busca de algum lugar para pousar. A estrada é belíssima, vistas maravilhosas, mas perigosa, com subidas e descidas. Quando já aventávamos a possibilidade de dormir no carro, por acaso descobrimos (Jane descobriu conversando em “italiano” com uma senhora) um tesouro de lugar para ficar.

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s