Seguindo para Jujuy, em busca da Rota 9

Planejamos sair de Cafayate rumo a Tilcara, na provincia de Jujuy, ao norte de Salta. Isso nos fazia ter 180 km até Salta e outros 170 km até Tilcara,  e chegarmos quase na fronteira com a Bolívia. Pé na estrada, de manhã cedinho, tendo outra visão da Quebrada das Conchas ao amanhecer. Não sei dizer que horário ela é mais linda, tanto que tinhamos pensado em ir mais rápido, mas não resistimos e paramos algumas vezes, em uma delas para cumprimentarmos as llamas que vieram se exibir pra gente.

Quebrada das Conchas ao amanhecer

Sabíamos que tínhamos que tomar a Rota 9 e que Salta estaria no meio do caminho, mas imaginávamos que haveria uma maneira de passar por fora, sem entrar na cidade. Perguntamos a um policial que nos parou na estrada, e ele nos indicou um determinado caminho que, de qualquer maneira, passava por dentro da cidade, mas num percurso que já conhecíamos. Fomos. Felizes por estarmos na Rota 9.

Depois de mais de meia hora de estrada (com um pedágio no meio) avistamos uma placa enorme dizendo: a direita Rota 9 e Tucuman, a esquerda Jujuy. Ora, sabiamos que Tucuman é ao sul de Salta, então não podiamos seguir por ali. Tomamos a esquerda, imaginando que retornaríamos a Rota 9 em algum momento porque havíamos planejado almoçar em El Carmem, que fica justo nessa Rota. E fomos. Lá adiante percebemos que estávamos na Rota 34. E fomos indo.

Depois de rodarmos um monte de quilômetros finalmente entramos na província de Jujuy. No posto policial paramos e perguntamos se estávamos no caminho certo e quando iríamos encontrar a bendita Rota 9. Ele nos diz: “essa é a Rota 9, é a 34 mas tambem é a 9”. Juro que se eu não entendesse o espanhol iria achar que ele tinha dito outra coisa. Sabe aquela carinha assim 😮 de espanto? Pois foi como ficamos. “E El Carmem?” Tinhamos que pegar um atalho e voltar. Outra vez 😮 . A informação era seguir pela 34 (9?), à esquerda tomar a 66 e seguir. Ou seja: a 9 ninguém sabia por onde andava.

Outro problema é que tínhamos uma reserva em um hotel que ficava na 9, e se nunca chegássemos a ela? Ó céus, ó vida, como diria o Dr. Smith. Mas, como ninguém discute com policial, seguimos. Passamos por San Salvador de Jujuy, a capital da província. De repente olhamos as marcações da estrada e lá estava RN9. E nós ó o/ .

O fato é: as estradas são ótimas, verdadeiros “tapetes”, muito bem sinalizadas com relação a segurança, mas quanto as direções é um horror. O melhor talvez seja comprar um mapa de “carreteiras”ou usar um bom GPS. Porque a Ruta Nacional 9 para nós continua um mistério.

Uma consideração sobre “Seguindo para Jujuy, em busca da Rota 9”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s