Mercado Central de Santiago

Além de ser uma dica que vi em todos os blogs, adoramos visitar mercados. É sempre um lugar interessante para se ver o que se come na cidade, apreciar as frutas e verduras que não conhecemos e observar as pessoas.

Infelizmente os mercados estão se transformando em pontos turísticos, mas para turistas com outros interesses. O Mercado Municipal de São Paulo já é um pouco assim. Quem for lá pensando em ver o que as pessoas comem, vai imaginar que o paulista come umas frutas absolutamente exóticas, vindas da polinésia francesa, sei lá. O Mercado Central de Santiago é ainda mais assim: 80% do seu espaço está dedicado a restaurantes. Pouquissimas bancas de frutas e algumas mais de venda de pescados e frutos do mar. Dois restaurantes dividem a maior parte do espaço, o Donde Augusto e La Joya del Pacifico (na verdade, não sei se existem outros). Me pareceram absolutamente iguais, com mesas no centro do mercado e mesas em uma espécie de mezanino, com cardápios e preços iguais. A diferença parece estar apenas na cor da roupa dos garçons. Assim, não há nada a fazer no Mercado Central que não seja comer.

O calor estava forte lá fora e buscamos desesperadamente algum lugar que tivesse ar condicionado. Nenhum. No máximo ventiladores potentes. Terminamos entrando no Donde Augusto (tinha mais gente, então devia ser melhor… essa foi a nossa lógica maluca) e fomos para o mezanino. E encontramos garçons que “falavam” português e queriam a todo custo saber de que região do Brasil estávamos vindo. Acho isso um saco e digo logo que vim de São Paulo pra encurtar a conversar, porque explicar que vim de Natal, que fica na região nordeste, etc, etc, dá muito trabalho.

E foi ai que comemos centolla (que eles, diferente dos argentinos, pronunciam “centôia”). Eu já tinha comido aquela coisa pre-histórica na Patagônia, mas era ela já “descascada” e feito uma espécie de guisado. Aqui pedimos uma inteira, tamanho médio. O ritual de abri-la é feito pelo garçom, na nossa mesa, com toda uma técnica interessante. Primeiro ele nos dá um babador, depois calça luvas, pega uma tesoura de cortar crustáceos e começa tirando as patas, abrindo a carapaça e cortando em sentido horizontal.  O mais embaraçoso e que nos deixou com uma pulga atras da orelha, foi que, quando nosso prato chegou, o povo das mesas vizinhas, se virou pra olhar, uma moça até pediu pra tirar umas fotos. Por que aquilo?

20131227_141133O prato confirmou a impressão que eu já tinha: nada é melhor que nosso camarão. Ary adorou, mas eu continuei achando que tem um gosto adocicado e insípido que não me agrada.

Ao final ficamos sabendo porque todo mundo olhou pro nosso prato. Ninguem tinha tido coragem de pedi-lo porque o preço é muuuuuuito alto, cerca de 200 reais a de tamanho médio, para duas pessoas. Quase pedimos para lavar os pratos! Pagamos e saímos daquela arapuca.

Resumo da ópera: se voce quiser ir ao Mercado Central, entre, tire fotos e saia correndo. Ou os garçons vão te fisgar.

Uma consideração sobre “Mercado Central de Santiago”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s