Bruges, a Veneza do Norte

A pior coisa que pode acontecer a um viajante é criar expectativas sobre um lugar de tanto falarem nele. Ouço falar de Bruges há muitos anos. Todos dizem quem é linda, que é imperdível, que não se pode deixar de ver. O problema é que, por mais que a gente veja fotos, a gente cria na cabeça uma cidade que nunca vai ser igual a realidade. E é ai que mora o perigo.

Com a imagem mental da Bruges que eu tinha criado, fui em um bate-e-volta desde Bruxelas conhecer essa sonhada cidade. Pra começar, inadvertidamente tomamos um trem “parador”, e a viagem que duraria 50 minutos, transformou-se em 2 longas horas. Aprendemos: quando escolher um horário de trem, observar em quantas estações ele para. O dia estava nublado, com aquele céu cinzento que ameaça chover a qualquer momento, o que tira o brilho de qualquer cidade.

Bruges de fato é uma cidade encantadora. Com uma arquitetura medieval de tijolinhos aparentes marrons, com suas ruas curvas, com piso de pedras e sem calçadas, com suas janelas com floreiras e cortinas de bordados, é muito lindinha.

DSC_3099

Mas, o grande atrativo mesmo são os canais que cruzam a cidade. Dão um charme todo especial que a faz se comparada a Veneza.

IMG_0646

IMG_0669

Voce entra por aquelas ruazinhas tortas e quase inevitavelmente vai encontrar uma praça na confluência. A mais importante delas é a Praça Burg, onde está a Prefeitura, construída no século 13 e a Basílica do Sangue Sagrado, onde existe o que se acredita ser um cálice com o sangue de Cristo (há quem acredite porque havia uma imensa fila na porta).

IMG_0656

Prefeitura
Prefeitura
Basilica do Sangue Sagrado
Basilica do Sangue Sagrado

Bruges, então é encantadora. Mas, não sei se porque começou a chover, não sei se porque estava cheia de turistas, não sei porque mas ela não me deixou extasiada. Esperava algo mais “rural”, menos cheia de lojas de grifes, menos comercializada.

De todas as maneiras nos divertimos. Sentamos em uma das praças, tomamos uma cerveja e, de repente surge uma banda tocando jazz. Muito legal! E outras mais se apresentaram, inclusive um grupo africano, creio que do Congo.

IMG_0650

Mas penso que, ao contrário do que li em vários blogs de viagem, Bruges não é para se visitar em apenas um dia. A visita de um dia a deixa muito parecida com outras cidadezinhas medievais que existem na Europa. Creio que andar devagar por suas ruelas, visitar os inúmeros museus, apreciar os aspectos históricos de seus monumentos deve fazer usufruir muito melhor essa cidade. Se voltar, quero ficar por aqui pelo menos 3 dias.

2 comentários em “Bruges, a Veneza do Norte”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s