Pelo norte da Bulgária 

Saímos de Sofia rumo ao norte, para mais na frente cruzarmos a fronteira com a Romênia. Mas nesse caminho fomos parando e conhecendo lugares lindos. O primeiro lugar foi uma pequena e pitoresca cidadezinha medieval, chamada Koprivshtitsa. Apesar de medieval é uma cidade completamente restaurada e, inclusive, com partes reconstruídas preservando as características originais. A mim me pareceu um lugar que as pessoas estão restaurando para viver ali, ou pelo menos passar férias. Me lembrou, guardada as devidíssimas proporções, a cidade de Bananeiras, na Paraíba, por essa característica.


A cidade é cheia de ladeiras (felizmente não muito íngremes), com calçamento de pedras, casas geralmente de dois andares, sendo o primeiro em pedra e o segundo em madeira, com detalhes de pinturas nas fachadas. Muito bonitinha, muito fotogênica, meio cenográfica.


Seguimos viagem até Plovdiv, onde vimos mais uma vez ruínas romanas. Um belo anfiteatro de mármore que, pelas explicações faria parte de uma arena de corrida. E mais uma vez me impressiono com a extensão do império romano. A gente ouve nas aulas de história, mas outra coisa é você encontrar rastros deles desde Portugal até aqui. Plovdiv é a segunda maior cidade da Bulgária, mas é uma cidade comum, animada.


Bem perto dali está a cidade de Grabovo, origem da família Rousseff, e que foi visitada pela nossa presidenta. Quase vizinho está Etara, onde estivemos no lugar mais interessante da Bulgária: um museu ao ar livre de manufaturas e artesanatos, onde estão e postos ferramentas e máquinas usadas originalmente para fazer utensílios domésticos, artefatos decorativos em madeira, couro, tecelagem. É um jardim imenso, com casinhas reproduzindo as oficinas dos artesãos, com eles trabalhando nas suas especialidades e as vendendo. O mais legal é que muitos dos instrumentos são movidos à água, de um riozinho que passa pro dentro do jardim. Muito lindo.


E chegamos a Veliko Tarnovo, essa sim, uma cidade bem peculiar. Nas montanhas, ela é cheia de ladeiras e vistas maravilhosas. O nosso hotel dava janela para a linda fortaleza da cidade, que está em um colina no final da cidade e que nos brindou em um dos dias com um belo espetáculo de luz. Tarnovo é uma daquelas cidades que você quer ficar uns 3 ou 4 dias, porque é super lindinha, tem uns restaurantes muito legais e se bebe um bom vinho búlgaro.


Aqui visitamos uma casa típica de búlgaros ricos do século 19. Muito interessante para vermos os hábitos e modo de decoração das casas, com forte influência turca, chamando atenção a ausência de mesas de comer, com enormes sofás para se comer sentado neles, o tamanho muito grande dos cômodos.


A última cidade da Bulgária foi Ruse, que fica praticamente na fronteira com a Romênia. Era o primeiro dia de aula do semestre e a cidade estava cheia de estudantes pelas ruas. Uma alegria só. O mais interessante de Ruse é que pude, finalmente, fotografar uma igreja ortodoxa no seu interior e registrar como é a tal separação entre os fiéis e o altar. Os ícones que estão pintados neles, inclusive, tem uma ordem: do lado direito da porta o ícone da virgem com o menino, do outro lado, o ícone de Jesus, vizinho a virgem o ícone do santo homenageado pela igreja e do lado de Jesus, o ícone de S. João Batista.


Depois disso, atravessamos a Ponte da Amizade e entramos na Romênia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s