Com chuva, mas sem desanimar

Chuva pode ser um grande inimigo de quem viaja, mas quando não dá pra esperar passar ou quando se trata de intrépidas viajantes como nós, o jeito é encarar. Sombrinha na mão, calcei minhas botinhas imitação da Ugg, que custou 18 euros em Roma, e fomos embora. O plano era bater perna no centro histórico e comer na Plaza Nueva.

A chuva estava quase uma tormenta. Ruas empoçadas. Minhas pobres botinhas não deram conta, e a pior coisa é um pé com meia molhada. Resisti, mas não tive outra opção que não fosse comprar um sapato que aguentasse a água. Vimos e experimentamos varias botas, mas quando perguntávamos ao vendedor se poderíamos enfrentar a chuva, todos foram unânimes: “para mucha lluvia lo único que resiste es bota de goma”. Ou seja, galocha de plástico! Claro que não ia comprar um troço desse, nem a pau. Terminamos achando uma de couro, por um preço bastante razoável, que tem resistido, desde que no auge do aguaceiro a gente se enfie na primeira loja que aparecer.

A Plaza Nueva ou Plaza Barria (em Euskera), é aquele estilo da Plaza Mayor, de Madrid: um imenso retângulo cercado de edificações, com alguns locais de acesso. Bom, ela não é tão grande nem tão bonita quanto a de Madrid, mas o “espírito” é o mesmo. Em todos quatro lados, inúmeros pequenos bares de pintxos, cheios de gente, o povo bebendo do lado de fora, não só porque os lugares são muito pequenos, mas porque as pessoas fumam, e como fumam!

Seguindo a tradição entramos em um, pedimos nossos pintxos e “una caña”, que é como chamam o chopp. Comemos e bebemos e fomos noutro continuar a farra. Pedir o vinho, tudo bem, você só tem que escolher entre tinto ou branco, porque é sempre o “da casa”, mas pedir os pintxos é complicado. São muitos, com “caras” ótimas todos e sem a gente saber exatamente o que tinha naqueles enormes canapés. Escolhi sempre pela cara. Olhava, gostava do jeitão, pedia. Em um dos bares pedimos tortillas e aí foi mais fácil. Tinha até uma inusitada tortilla de carbonara!

O legal de você beber quando chove é porque você sai do bar, bate um vento frio na cara e toda a possível bebedeira desaparece.

À noite ainda fomos comemorar meu aniversário no Café Iruña, um tradicional lugar no Parque Jardins de Albia. Foi um dia mesmo dedicado aos prazeres da mesa.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s