Uma viagem rapidinha a Montréal

A decisão era um final de semana no Canadá. E ai começa a questão: tão pouco tempo, um país tão imenso, tudo tão lindo para todos lados… onde ir? Na segunda “peneirada” chegamos a que teria que ser na costa leste, por estar mais perto de Nova York (onde eu já estou). Ok, Toronto ou Montréal? Olhe, difícil, viu? Cada uma com seu tipo de atrativo. Sem falar que o meu desejo impossível era ir até London, Ontario, visitar minha amiga Rozane. A informação sobre o charme europeu de Montréal venceu a parada. E fomos.

E Montréal exatamente isso: charmosa como uma cidade européia. Começa pelo idioma, ou pelos idiomas falados. O francês e o inglês falados em cada canto. Em alguns lugares, somente o francês, mas em nenhum lugar somente o inglês. Então, depois de mais de um mês ouvindo e tentando falar o inglês, ouvir um “oui, madame” ou um “désolée” (acho lindo!), foi mesmo uma viagem.

Como todo mundo sabe a cidade é chamada de Montreal (“Montriol”) em inglês e Montréal (“Monrealllll”) em francês (e, é claro, a segunda maneira soa muito mais bonito) porque o Mont Royal dá o contorno da cidade. Lá está o mais belo parque. Uma área extensa de gramados, arvores, locais para descanso, picnic, shows, exposições. E uma completa vista da cidade aos seus pés.

Em um tour de ônibus conhecemos as diversas regiões da cidade e ai tive a surpresa de saber que Montréal é uma ilha, uma vez que é completamente contornada pelo rio Saint Laurent de um lado e o rio Prairie pelo outro, e que existem outras tantas ao redor dela.

Escolhemos ficar hospedados em um dos pontos mais interessantes da cidade, o bairro Plateau Mont-Royal. Lugar imperdível, com bares e restaurantes, cafés e cervejarias legais, ruas de pedestres e muitos, mas muitos mesmos grafites e murais. Em um tour a pé que fizemos soubemos que há todo ano, no mês de junho, o festival dos murais, onde artistas são convidados a colorir com sua arte paredes da cidade, muitas delas no Plateau. Assim, se você gosta de grafites como eu, ande com a máquina a tiracolo, porque a qualquer momento você pode se deparar com desenhos incríveis.

Esse tour a pé foi muito legal porque nos mostrou uma Montréal que não está nos circuitos oficiais de turismo. Conhecemos, por exemplo, um cabaré histórico ainda em funcionamento, o Cleópatra. Aliás, o mercado do sexo é um negócio bastante ativo por lá. Existem clubes de cavalheiros e casa de shows eróticos masculino. E parece não ser uma coisa escondida. Na rua de nossa casa, por exemplo, tinha uma casa de strip tease, a Kama Sutra 😀

No centro da cidade está a Catedral de Notre Dame, com arquitetura inspirada na de Paris. Olhando por fora a gente não se impressiona. Fica bastante claro que a inspiração francesa passou longe dos detalhes do gótico da Notre Dame principal. Mas, quando você entra, a Catedral é realmente impressionante, sem ser pomposa. Quando se para e se olha com mais tranquilidade a impressão é de um grande teatro, com andares de balcões e o altar principal colocado em um semi-circulo que lembra o palco.

Então, pelo pouco tempo que tivemos, fiquei com a impressão de Montréal como uma cidade com o charme da velha Europa, mas com a ousadia de uma cidade mais livre de preconceitos e conservadorismos. Gostaria de voltar e passar mais tempo.

Woodstock: o pitoresco a 2 horas de NYC

Desde que vi o filme “Paz, Amor e Muito Mais”, com Jane Fonda como uma hippie velha, fiquei com vontade de conhecer essa cidadezinha que está tão perto da cidade de Nova York. Agora fui. E ela é realmente encantadora.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Pequenininha, com uma população de menos de 6 mil pessoas, basicamente uma rua principal e outras pequenas transversais, Woodstock vive da fama do Festival. Lojinhas com roupas dos anos 70, muitos brechós, umas figuras meio folclóricas no meio da praça, uns caras com cara de Hell’s Angels, e logo você se sente deslocado no tempo. Mas retorna rapidinho quando entra nos bares, restaurantes e cafés transados e bem novaioquinos que também tem por lá. É uma cidade que sabe aproveitar o melhor dos dois mundos. Encontrei lá, por exemplo, uma loja de roupas de linho, no melhor estilo oversized, blusas e vestidos lindos. Pena que meu orçamento não seja tão “oversized” assim.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

A cidade tem pouca oferta de hospedagem, basicamente Bed & Breakfasts. Tivemos sorte de conseguir vaga em um dos poucos hotéis, que, por sinal tem apenas 4 apartamentos. Mas nosso apartamento era uma lindeza com uma decoração meio “psicodélica”, móveis antigos, detalhes indianos. Se alguém se interessar ele chama-se White Dove Rockhotel.

Então, quando a gente diz que vai a Woodstock todo mundo logo pensa em hippies, rock e marijuana, que a cidade vai estar cheia de “bicho-grilo”, como se dizia antigamente, e que o cheiro de patchuli estaria pairando no ar. Nada mais equivocado. Primeiro porque no estado de Nova York a comercialização da Canabis é proibida, segundo porque o Festival de Woodstock não aconteceu em Woodstock.

Por mais chocante que isso possa parecer, a cidade onde aconteceu o Festival chama-se Bethel e está a mais de uma hora de carro desde o centro de Woodstock. Então por que tem esse nome? Woodstock promovia periodicamente festivais de rock nos anos 60/70 e os organizadores do famoso festival o planejaram para acontecer lá. Ocorre que a prefeitura negou a licença porque eram esperadas 50 mil pessoas e a cidade não tinha infra-estrutura para isso. De ultima hora eles encontraram uma fazenda em Bethel e como todo material de divulgação já tinha o nome de Woodstock, assim ficou. No fim foram mais de 400 mil pessoas! E Woodstock ficou com a fama, a pobre da Bethel nem é lembrada. E nem vale a pena ir lá, porque é um grande descampado com uma placa dizendo que lá ocorreu o festival. Nem uma lojinha de souvenirs tem.

E se tudo isso ainda não for incentivo suficiente para dirigir essas duas horas, no meio do caminho você pode dar uma desviada e visitar o Storm King Art Center, um imenso museu de esculturas a céu aberto. O parque é maravilhoso, a maior parte da esculturas são monumentais e contemporâneas. Não conheço Inhotim, mas imagino que seja algo parecido.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA