Puebla, um pouco mais

Puebla é uma cidade cujo turismo mais intenso é o dos próprios mexicanos. É raro se ver aqueles turistas branquelos com enorme máquinas nos pescoços ou aquelas hordas de turistas em excursão. Por isso temos sempre a impressão que os lugares por onde andamos são os lugares por onde os nativos circulam, o que nos deixa muito à vontade.

Fora do Centro Histórico ainda nos sentimos mais dentro da vida pueblana. E encontramos lugares bem interessantes, ainda que alguns bastante deteriorados. Um deles é o chamado Barrio del Alto, com ruas inteiras cheias de grafites nas paredes, com temas ligados à cultura mexicana. No mercado José Maria Morelos se pode comer comida simples e ouvir os mariachis.

Mais, na minha opinião, os lugares de Puebla mais interessantes são o Barrio dos Artistas e Los Sapos, ambos relativamente próximos ao Zócalo. O Bairro dos Artistas é na verdade uma pequena rua agradável, arborizada, com bancos em sua extensão, com ateliês e exposições de pinturas, desenhos e esculturas dos artistas locais. Ao final dela está o Mercado de Artesanias, muito semelhante à todos os mercados de artesanatos. Precisa-se de muita garimpagem para encontrar-se algo interessante.

Los Sapos é, para mim, a região mais bonita de Puebla. São duas ruazinhas, meio becos, lindamente coloridas, com cafés, lojinhas simpáticas de um artesanato mais diferenciado é uma feirinha permanente. Ao redor dessas ruas está um comércio muito importantes de antiguidades, com coisas belíssimas.

A gastronomia pueblana é, como a de todo o México, bastante picante. Quando eles nos dizem “no pica nada”, deixe perto um copo de água, porque sim, pica! Depois de algum tempo a gente se acostuma e até gosta do ardorzinho. Em Puebla há um calendário gastronômico e todos os restaurantes parecem segui-lo, creio que como uma maneira de uniformizar a oferta. No mês de outubro a comida era o Mole de Caderas, uma espécie de ensopado (picante, naturalmente) com o quadril de bode. De todas as comidas que provamos, me encantei pelo Chili en Nogada. É um pimentão grande recheado com um refogado de carne de porco moída e mil outras coisas como maçã picada, pêssego picado, cebolas, alho, tomates. Tudo isso recoberto por um molho de nozes, amêndoas, passas e creme de leite, salpicado com sementes de romã e salsa. É divino!

Pôde-se comê-lo em quase todos restaurantes da cidade, mas se você quiser comer a autêntica comida pueblana, vá ao Mercado de Los Sabores Pueblanos, um lugar super simples, onde se come bem e super barato.

Em seguida contarei sobre Cholula, uma cidade que praticamente faz parte da “grande Puebla”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s