Arcos de la Frontera, um dos “pueblos blancos”

Mais uma vez de ônibus, conhecendo cidades que estão muito próximas de Jerez para um bate-e-volta, fomos a Arcos de la Frontera, distante 35km apenas.

Arcos (para os íntimos) é uma cidade antiquíssima, tendo sido encontradas pinturas rupestres em suas cavernas. Durante algum tempo foi assentamento romano, alcançando prosperidade no período muçulmano. Sua localização original no alto de um morro com pouco menos de 200m de altura ao lado do rio Guadelete, deve ter sido estratégica em situações de ocupação. Hoje ela se espalha para além do cerro, mas ainda é completamente cheia de ladeiras, algumas bem puxadas. E faz parte do roteiro dos “pueblos blancos” da Andaluzia. E é uma cidadezinha linda.

Por conta das ladeiras o melhor foi pegar um táxi até o casco histórico. E o carro subiu se espremendo em ruas tão estreitas que a gente se encolhia toda, pensando que ele iria raspar a lateral.

Saltamos no ponto mais alto, a Praça do Cabildo, onde está o antigo prédio da prefeitura e a igreja de Santa Maria. Lá também está um dos mirantes da cidade e a vista é deslumbrante, com prados muito verdes e o rio serpenteando entre eles. Fiquei imaginando que uma vista maravilhosa deve ser olhar esse morro desde lá de baixo. Depois vimos fotos justamente desse ângulo, à noite, com a encosta iluminada. Uau!!!

Mas a cidadezinha é muito linda, com suas ruas estreitas e suas ladeiras. Os prédios, as casas, tudo é branco, e o legal é o contraste com as igrejas, que são daquele tom ocre terroso de quase todas que vimos por aqui.

Além do mirante da Praça do Cabildo existem outros 3, cada um dando para uma paisagem mais linda que outra. Fomos descansar um pouco no do Abade, onde existem incríveis bancos inclinados, seguindo a inclinação do terreno, onde quase é preciso se segurar para não deslizar e empurrar o vizinho.

Aqui, talvez por ser um lugar mais turístico, encontramos muitas lojas de lembrancinhas e artesanatos, mas nada muito diferente que valha a pena comprar.

Aqui comemos super mal. Caímos no conto do menu turístico e de pratos com fotos do lado de fora do restaurante, e entramos no Bar Pátio Andaluz. Tinha jurado nunca comer em lugar assim. Comida horrível, garçons sem o menor saco.

Depois foi encarar as ladeiras descendo, tomar o ônibus e voltar pra casa.