Um resumo de Berlim

Berlim é uma cidade bonita. Não chega a ser deslumbrante, mas tem uma coisa de calma, de organização, de vida tranquila, que faz a gente pensar que é uma ótima cidade para se morar. É isso, Berlim é uma cidade para se morar. Fiquei pensando no que não gostei lá e a única coisa que me ocorreu foi que a maquina que vende os bilhetes do metro deveria ter orientações em outro idioma que não o alemão. Se voce não souber, dança. Vai ficar olhando pra aquilo, sem saber o que fazer.

Aliás esse negocio de bilhete de metro é engraçado. Não há catracas para voce passar usando o bilhete, não há ninguem para voce entregar o dito cujo. Voce simplesmente compra e guarda. Se por acaso passar alguem cobrando, voce mostra. Acho isso extremamente civilizado. Acho que o conceito de civilização passa por voce fazer coisas certas, sem que ninguem lhe obrigue a isso.

E como as pessoas andam de bicicleta!! Cada poste, cada arvore das ruas tem pelo menos uma bicicleta amarrada neles. Na frente das lojas tem uns ganchos para prender as bicicletas. Nas avenidas principais tem locais para alugar bicicletas. Enfim, se eu morasse aqui tava ferrada…

Ainda Berlim: o Fernsehturm

No último dia fomos a uma torre onde ficam as antenas de TV e que é a mais alta da Europa e chama-se Fernsehturm. Claro que eles aproveitam para ganhar um dinheirinho. Montaram uma estrutura turística no topo da torre, com bares, restaurantes que giram, essas coisas, chamando todos a apreciar Berlim vista de cima. E lá fomos nós, como bons turistas que somos.

Eu estava como o maior medo de que minha claustrofobia me atacasse dentro do elevador porque imaginava que ia demorar uma meia hora para subir aquilo tudo. Mas o bixinho faz 6 metros por segundo e a gente nem sente. Alem do mais o ascensorista era um negro que falava portugues com sotaque de portugal e era uma simpatia.

A vista lá de cima é realmente bonita. Berlim é uma cidade muito plana, de modo que a gente pode ver até os limites dela.

Enquanto o sol caia e nos possibilitava melhores fotos, ficamos no bar tomando um vinho branco, que é o maior chique.

DSC_0265

Agora, aqui pra nós, se aqueles gringos que estavam lá deslumbrados, vissem o Rio de Janeiro de cima do Pão de Açucar, nunca mais iam querer pagar 10 euros pra subir aquela torre. O Rio não tem prá ninguem!

Olha ai o Rio Spree visto de cima.

DSC_0261

Apesar da luz bonita, o vidro da janela turvou a foto. Mesmo assim vale para ver o Spree do outro lado

DSC_0264

Ainda Berlim: um passeio pelo Rio Spree

O Rio Spree (que se pronuncia “sprê”, não ouse pronunciar “spri”) é o rio de Berlim. Mas, na verdade é um riozinho que tem um terço do Potengi, quando muito. É quase um canal. Mas os caras aproveitam para ganhar dinheiro dos turistas! Existe um monte de companhias fazendo passeio de barco, em barcos abertos, com guias contando a historia de cada predio.

Aproveitamos um dia de sol forte e lá fomos nós olhar a cidade de outro ângulo. O passeio é legalzinho, mas o percurso é pequeno, durando menos de 1 hora. Acho que ele não é navegável por trecho maior que aquele.

Mas no caminho vimos coisas interessantes, por exemplo, a praia dos berlinenses, coitados. Eles vão a clubes que ficam na beira do rio, os clubes põem cadeiras ao sol e eles acham que estão na praia. Olha só uma delas

DSC_0246

E como ainda tinha sol, as pessoas ficam lá, nos gramados da beira do rio, tomando sol ou namorando.

DSC_0249

Passamos por lugares antigos, mas pudemos ver uma Berlim nova, com predios de uma arquitetura muito moderna. Esses predios ai são as residencias dos Deputados.

DSC_0243

E a presença do Muro, sempre ele. Essas cruzes estão ai para lembrar os que morreram ao tentar atravessar o Muro que margeava o rio.

DSC_0250

Por que não fazer as coisas bonitas?

Berlim é uma cidade em obras ainda. Desde a queda do muro – e já lá se vão 20 anos, completados neste – é obra por tudo que é lado. Estáo refazendo desde a parte de infraestrutura, até ornamentos de ponte, predios que estavam destruídos, enfim…

Acontece que os caras fazem as coisas, mas fazem de modo a manter a cidade bonita. Olhem essa foto ai

DSC01799

Viram? Perceberam? Pois é, enquanto não tem dinheiro para a restauração do prédio, eles colocam uma fachada de madeira e pintam como se fosse o próprio prédio! Não é legal? Vi isso em vários.

Como não perder clientes no frio

Estamos no fim do verão europeu, então ainda faz um calorzinho por aqui, mas as noites já são frias. Os bares e restaurantes ainda mantem as mesas nas calçadas, como no verão, mas, como não são bobos nem nada, colocam umas mantas nas cadeiras para as pessoas usarem e se protegerem do vento frio. Achei a ideia muito legal!

DSC01848

Nessa noite estavamos em um restaurante vietnamita, onde comemos a coisa mais gostosa desde que chegamos aqui. E tão bonito veio o prato que fotografei. Não me perguntem o nome, mas era carne de porco com molho de mel e algo picante.

DSC01849

O Muro e o anti-Muro

Ontem, durante o city tour, resolvemos descer e visitar o Museu do Checkpoint Charlie. Claro que todos sabem que o Checkpoint Charlie era o mais importante lugar onde se passava da Berlim Ocidental para a Berlim Oriental. Hoje, naquele local há um Museu com mil informações sobre o Muro, desde sua construção, em 1961, até a sua queda, em 1989. E logo na entrada a gente vê a estrela comunista e a placa indicativa da Republica Democratica. Esse é um pedaço do Muro que adorna a entrada do Museu

DSC01838 

E a estrela socialista

DSC01837

É um lugar impressionante. Ficar em uma de suas janelas e imaginar que havia um Muro logo ali e que não se podia passar para ver os amigos, a familia, os conhecidos que moravam a menos de 100 metros de você, é uma coisa sufocante. E eles mostram as inumera maneiras que as pessoas arranjavam para atravessar de lá para cá. Tuneis cavados por baixo de predios, travessias dentro de mala de carro, tentativas em balões improvisados. Coisas incriveis e que muitas vezes terminavam com morte.

Mas, depois de um momento voce começa a se perguntar: por que as pessoas queriam passar pro lado de cá? O que era de tão terrível que acontecia do lado de lá? Ai você começa a perceber que eles contam uma historia que se não é falsa, pelo menos é muito misturada e sem todas as informações. Por exemplo, eles misturam com as coisas que aconteceram na Guerra e as contam como se fosse na época da RDA (DDR, como é em alemão a sigla da Republica Democratica Alemã, e que para mim lembra memória de computador). Por exemplo, em nenhum momento tenho resposta para as minhas perguntas sobre por que as pessoas queriam tanto atravessar. No final, conversando com meu irmão, ouço dele que é porque as pessoas viviam na miseria e oprimidas e por isso queriam a liberdade. Era exatamente isso que os caras queriam que as pessoas pensassem… Mas não era bem assim.

Hoje, depois de um lindo passeio de barco pelo ridiculo rio Spree, fomos visitar o Museu da DDR. É um museu que mostra a vida das pessoas do outro lado do muro. Os hábitos, o tipo de educação, o trabalho, como viviam, como se vestiam, como se divertiam. E ai cai por terra aquilo que vimos no Charlie. No Museu há textualmente uma frase que diz: na DDR não havia pobreza nem miséria. E vemos que o salario dos profissionais é mais ou menos igual, um engenheiro ganhando pouco mais que um fazendeiro, que havia Universidade para todos, que as mulheres tinham mil facilidades com seus filhos de modo que podiam trabalhar. Enfim, a vida do outro lado nada tinha de miseria ou opressão. O modelo economico sovietico começa a falhar com a primavera de Praga e com isso vai a reboque todos os que estão sob sua cobertura. E a DDR vai junto. E ai começam os problemas. Ou seja, de 1961 a 1968 todos viviam muito bem, obrigado!

Como diriam meu pai: “isso é propaganda capitalista, minha filha…”

Foi muito legal ter visto esses dois lados. Espero que as pessoas percebam…

Na saida comprei um broche com a foice e o martelo e uma camiseta com a palavra Berlim escrita em russo.

Berlin, Bärlein

Eu não sabia, mas o urso é o simbolo de Berlin. Simplesmente porque ursinho em alemão é Bärlein, que soa quase igual a Berlim. Por onde voce anda vai encontrar um urso, de todos os tamanhos, cores e desenhos. Tem urso com camisa de times de futebol, com desenho das linhas do metro (que aqui se chama U-Bahn), com simbolos do zodíacos desenhados na barriga, enfim, para todos os gostos.

Estavamos na nossa batida de perna quando encontramos uma festa do Lion’s e … olha nós ai com os ursos

DSC01794

DSC01795

O Hotel Bellevue

Mas antes de sair deixa eu contar um pouco sobre o Hotel. Na verdade é um hotel-pensão, no segundo e terceiro andar de um predio antigo, construido em 1916 e reconstruido em 2000. É uma graça a decoração dele. Pense numa coisa kitsch! Tem de um tudo. Para ter uma ideia, as paredes do nosso quarto são decoradas com alguma coisa como um papel de parece com desenho de flores contornadas por areia brilhante (Lembram?)!!! Vou tirar umas fotos depois e mostrar.

Mas, tudo extremamente limpo, bem cuidado, nada labojeiro. E um cafe da manha de fazer inveja: varios tipos de frios (conheço alguem que ia amar…), varios tipos de queijo, uma coalhadinha parecida com a de Ana, cereais para a coalhada, cafe, cha, frutas… Enfim….

Em compensação a internet é uma verdadeira droga. Para conseguir mandar alguma coisa estou agora sentada no chão do corredor do quarto, perto da porta, que é onde consigo alguma coisa.

Em uma Berlim vazia

Chegamos ontem a noite, depois de um percurso cansativo e mil confusões com minha reserva, que conto depois. A primeira estranheza, além do idioma, claro, é que a cidade não tem gente nas ruas. Primeiro foi no aeroporto. Um aeroporto enorme, bonito, limpo e organizado… sem gente! Os corredores com 2 ou 3 pessoas passando, as lojas só com as vendedoras, os guiches com funcionarios sonolentos. Cadê o povo?

Depois pegamos um taxi e viemos pro hotel. Nada, o transito fluindo quase sem carros, as ruas com 2 ou 3 pessoas caminhando. O hotel fica em um bairro meio residencial, mas não vimos gente nem nas calçadas, nem dentro dos predios.

Estou começando a ficar preocupada. Ou esta acontecendo alguma coisa muito legal em algum canto e todo mundo foi prá lá, ou vai acontecer alguma catastrofe e a população de Berlim já está nos abrigos.

Sei não. Vamos sair agora. Tomara que eu encontre o povo.