Entrando na Patagonia

Ai chegamos em El Calafate. A melhor coisa que fizemos foi contratar tranfers em todos os lugares. Onde chegamos tem alguem com uma plaquinha com o nome de Fatima, para nos buscar, carregar nossas malas e nos deixar nos hoteis. Se fui pobre, não me lembro!

Ficamos no Hotel Elan, que fica a margem do Lago Argentino, “lo mas grande lago del país”. Hotel legal, apesar da Internet lenta.

E no dia seguinte seguimos para nosso primeiro passeio: Parque Nacional de los Glaciales. Fiquei um tempão tentando me lembrar como é que a gente chama isso. Com certeza não é “glacial”. Até que Fatima me lembrou: geleiras. Então, é um lago imenso, com mais de 300 geleiras. Tomamos um barco, navegamos pelo lago até 3 dessas.

Uma geleira (ou glacial) é uma “lingua” imensa de gelo que desce das montanhas e chega até o lago formando um paredão quilometrico, lindo, azul.

Glaciar ou geleira?

É uma coisa espantosamente bonita. Vez por outra pedaços desse gelo se desprende e cai, fazendo o barulho assustador de um trovão. E a gente vai encontrando esses pedaços boiando pelo caminho, se derretendo. Lindo, lindo.

Pedaços de gelo flutuando