Hoje foi o dia do Vaticano

Amanheceu chovendo. Um saco para quem está viajando? Errado, tinhamos comprado ingresso pros Museus do Vaticano justo para hoje. Museu é o melhor lugar para turista ficar quando chove (e quando faz muito calor, como na Filadelfia). O problema é que todo mundo pensou igual porque o Museu estava absolutamente lotado. Sério. Andar nos corredores era como se estivéssemos acompanhando uma procissão (ou uma passeata… e bem que tivemos vontade de puxar umas palavras de ordem, tipo “fora Cunha”).

As filas para comprar ingresso estavam absurdamente grandes, mas nós havíamos comprado ainda no Brasil, pela Internet, e isso nos salvou. Entramos rapidinho. Mas a multidão lá dentro era um horror. Enquanto estivemos nas salas egípcias deu pra ver direitinho, mas quando tinhamos que apreciar os afrescos, não dava. A multidão não nos permitia o distanciamento necessário para olhar, parar, ver detalhes. E, assim, os seguranças, tentando organizar a turba, se irritavam, gritavam e mandavam a gente seguir, sem que tivessemos tido tempo de olhar direito as coisas.

Interior de um sarcófago, ricamente decorado
Interior de um sarcófago, ricamente decorado

DSC01471

Sempre que vou a um museu e vejo objetos de outras civilizações fico chateada em pensar que aquilo foi expropriado do seu povo legítimo. Sei que Roma esteve “dona” do Egito durante um tempo grande, mas trazer os sarcófagos é meio que profanar a cultura deles. Enfim…

Por ser muito grande e por ter uma multidão sempre circulando, não tivemos tranquilidade para apreciar tudo que queríamos. O interessante foi que justamente o que não estávamos muito interessada, era onde tinha menos gente: o Museu de Arte Contemporânea.

De todas as maneiras é tudo muito lindo. os tetos são obras de arte com requintes maravilhosos. Esculturas em baixo e em alto relevo em tumbas fúnebres deslumbrantes, pisos de mosaicos belíssimos.

Detalhe em alto relevo de uma tumba funerária
Detalhe em alto relevo de uma tumba funerária
Teto de uma das salas
Teto de uma das salas
Teto de uma das salas
Teto de uma das salas

Depois de duas horas de caminhadas pelos diversos salões – e confesso que por alguns passamos muito rapidamente, como o salão cartográfico – chegamos finalmente s Capela Sistina, onde não é permitido fotos. Obviamente a multidão também estava lá. E, apesar do desconforto da apreciação, é uma coisa realmente impressionante. Cada segmento é uma história, ou um conjunto de histórias em um único quadro. Claro que o teto de Michelangelo é o mais impressionante, mas pinturas laterais, muitas delas de Botticelli, são muito lindas tambem. O afresco enorme, tomando toda a parede do fundo, representando o juízo final, é pra se ficar olhando por horas.

Para fechar com chave de ouro, a rampa de descida para a saída, é maravilhosa.

DSC01489

Infelizmente não foi possível caminhar pelos jardins, que, visto pelas janelas, tambem nos pareceram muito lindos. porque a chuva não nos deu trégua até agora.